Publicado em Deixe um comentário

Como ter menos crenças limitantes?

Você já parou para pensar que suas ações são, em sua maioria, processamentos inconscientes e não processos conscientes? Você não pensa ao respirar, piscar, beber água, comer… São ações automáticas que seu corpo já foi ensinado a repetir ao longo dos anos e existem diversas outras ações, atitudes e pensamentos que também são automáticas e instintivas.

E provavelmente você nunca se importou muito com isso. Mas quando chega o momento em que você quer mudar um comportamento, ou um hábito ou simplesmente quer fazer alguma coisa nova, parece que você sente dificuldade ou simplesmente não consegue fazer essa mudança. Seu corpo começa a criar “desculpas” e justificativas para que aquele comportamento não seja alterado, e é isso o que chamamos de Crenças Limitantes.

Elas nada mais são do que os “limites” que nosso corpo nos impõe baseado nas nossas repetições “comuns”, é o nosso padrão mental, ou seja, todas as programações neurais que aprendemos durante nossa vida, principalmente na primeira infância. Elas vão se reforçando ao longo de nosso desenvolvimento e são encaradas como verdades absolutas.

Esses tipos de crenças moldam seu modo de agir, seu mundo e as coisas que nele acontecem, pois funcionam como lentes de um óculos que formata a realidade conforme seus próprios preceitos. Sendo assim, as crenças acabam determinando os nossos comportamentos, as nossas atitudes e principalmente os nossos resultados.

Essa automatização do corpo é um processo natural e também saudável em alguns níveis, é uma função do nosso cérebro de produzir uma representação sobre tudo aquilo que vemos, ouvimos e sentimos, porém elas podem facilmente nos prejudicar no evoluir. 

Toda crença nasce quando nosso corpo busca as respostas mais adequadas para o momento que estamos vivendo, com uma intenção positiva de preservar e controlar nossa interação com o mundo. Porém, ao longo do tempo, algumas dessas crenças deixam de ter a função agregadora e acabam nos limitando, mesmo que com a intenção positiva. O fato é que, neste momento, essas conexões neurais já são fortes o bastante para ditar nossas respostas.

Na maioria das vezes, as crenças são falsas ou têm verdades parciais, mas o nosso cérebro está constantemente buscando padrões em experiências anteriores para se sentir seguro. E ele irá buscar esses padrões em nossas conexões neurais mais robustas.

Para identificá-las, um bom início é começar percebendo os padrões de respostas que você dá aos estímulos que recebe e as frases que diz repetidamente para justificar suas ações, ou a falta delas. Reflita sobre o que você gostaria de fazer ou mudar na sua vida, mas “não consegue”. Procure identificar as justificativas interiores para não fazer isso. Questione-se.

Essas respostas são “desculpas” que seu inconsciente te dá para que você não promova nenhuma mudança e permaneça com aquele comportamento já enraizado. Instalar novos comportamentos demanda abalar a segurança do seu cérebro e criar uma nova conexão neural.

Essa nova conexão deverá ser acessada repetidas vezes até se tornar mais forte e mais relevante emocionalmente que a conexão anterior, que, por sua vez, não deixará de existir e estará lá esperando que você a acesse novamente.

Aprendemos pela repetição, mas não adianta criarmos um hábito durante 21 dias, 100 dias ou quantos dias forem se a mudança proposta não nos faz sentir bem e realizados. Ou seja, se você não está completamente alinhado com o propósito da mudança, seu corpo facilmente voltará a se conectar com a conexão neural anterior.

Então, quando falamos sobre crenças limitantes, a palavra chave é ressignificar. É dar um novo sentido para algo. Buscar uma nova direção ou propósito. É transformar. Dar um novo significado para os acontecimentos e transformar crenças que estão dentro de nosso padrão e do nosso aspecto psíquico. Transformar crenças que nos limitam em crenças que nos estimulam e impulsionam, isso mudará radicalmente a experiência de cada ser humano, libertando a consciência individual. 

Aumentar a sua consciência é tão importante para gerar transformação pessoal para alcance de resultados. Cada pessoa tem um mapa mental, que é baseado nas suas experiências, conhecimentos e interpretações ao longo da vida. Mantenha-se vigilante e perceba a profundidade de cada pensamento. Descubra o que te prende e o que te move.

Use uma lupa em situações do trabalho, nos relacionamentos, na saúde ou naquela outra situação importante. Com mais consciência as decisões acabam sendo algo natural. Enfim, lidar e ressignificar as Crenças Limitantes é um diferencial, seu estado emocional muda, mas nem sempre conseguimos fazer isso sozinhos, portanto você pode considerar a ajuda profissional.  Entre em contato com um Arcanjoterapeuta para te auxiliar nesse momento de expansão da sua consciência.

Escrito por: Equipe Arcanjoterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *