Não, nem um pouco! Falar sozinho é bom, pode parecer estranho porque existe a tendência de se associar o comportamento a um sinal de transtorno mental.

No entanto, segundo pesquisadores, ter um diálogo consigo mesmo pode ajudar a recuperar memórias, desenvolver a imaginação, estimular autoconfiança, a melhorar a concentração, a linguagem e o raciocínio entre outros benefícios.

Apenas em casos clínicos específicos a prática pode ser sintoma de solidão crônica ou, mais grave, alguma doença mental, psicológica ou psiquiátrica.

Ouvir a própria voz nas situações em que é preciso tomar decisões difíceis é importante como uma ação com objetivo de se fortalecer. Ao falar e ao mesmo tempo ouvir, a gente aciona os dois lados do cérebro – e isso é muito bom para a autoconfiança.

Ouvir os próprios pensamentos também é um recurso de memorização, já que o som da fala ativa a atenção e favorece a fixação de informações no cérebro. É por isso que repetir em voz alta o conteúdo antes de uma prova ou de uma apresentação importante ou uma conversa difícil ajuda a ganhar autoconfiança.

O diálogo interno é extremamente importante para compreendermos melhor o que sentimos e como de fato pensamos sobre diversos assuntos. Em outras palavras, falar em voz alta consigo é importante para, por incrível que pareça, se ouvir.  

Às vezes quando você cria diálogos e fala o que quer falar, você abre espaço para reflexões. Isso pode até favorecer uma mudança de opinião ou de posicionamento frente a uma situação de conflito, por exemplo.

Em 2014, Ethan Kross, da Universidade de Michigan, publicou uma pesquisa destacando que dialogar sozinho pode nos fazer sentir melhor sobre nós mesmos e nos dar confiança para nos ajudar a enfrentar desafios. 

Conjuntamente com vários colegas, Kross conduziu uma série de experimentos com pessoas que descreviam experiências emocionais, usando seus próprios nomes ou em terceira pessoa. Ele mostrou que falar em terceira ou segunda pessoa ajuda a controlar melhor os sentimentos do que quando se usa a primeira pessoa.

No entanto, para que isto funcione, temos que dizer as palavras certas. Seguindo a mesma lógica, é importante ficar atento com críticas e falas negativas, já que também ficarão gravadas no cérebro e pode prejudicar a autoestima.

Mas sim, tem que ter coragem de falar sozinho. Pois essa é uma forma muito intensa de se colocar em contato com seus sentimentos e é também um jeito de clarear os pensamentos. 

Assim, perguntar-se “por que estou tão irritado?” ou “o que é isso que estou sentindo?”. Quando está num dia ruim é uma boa estratégia para chamar a atenção para si, suas sensações físicas e mentais e começar a se sentir melhor.

O mesmo acontece quando nos expressamos na frente do espelho, por exemplo, estamos nos afirmando, primeiro, para si mesmos, para então se colocar coletivamente, o que faz parte do amadurecimento psíquico.

Inicie esse diálogo com você mesmo e trabalhe suas emoções de forma consciente!

Você também pode gostar: